http://img233.imageshack.us/img233/4972/novadireita15tl.jpg

quinta-feira, junho 29, 2006

O Que Somos e o Que Queremos

LUsitânia Expresso é uma publicação de doutrina e crítica de ideias e factos dedicada aos principais problemas que con­frontam hoje a Civilização ocidental, nomea­damente a cultura, a filosofia e a praxis. Pautará a sua orientação pelos princípios que se seguem.

1 — A crise de valores a todos os níveis e a ausência de cri­térios de excelência na sociedade contemporânea têm origem num bloco hegemónico de correntes ideológicas, umas vezes contraditórias na forma de pensamento e na disputa do territó­rio, outras vezes entrecruzando-se, mas totalmente convergen­tes na destruição da Civilização ocidental. Este bloco engloba o nihilismo, o marxismo e o submarxismo, o progres­sismo, o liberalismo, o vanguardismo, o pós-moder­nismo, a neofilia, o pragmatismo, o tec­nocra­tismo, o relativismo e outras correntes, umas mais e outras menos influentes. Este bloco é a expressão da entente tácita entre a esquer­da e a direita decadente e, por ser dominante, é o modelo acabado do politicamente cor­recto. Na realidade, comporta-se perante a Civilização e a natureza humana como uma força agressora e destrutiva. A decadência do pensamento, das artes e das letras produ­zida por essa entente induz insidiosamente à decadência das consciências e da vida.

Lusitânia Expresso pretende juntar-se aos homens de Estado, activistas e intelectuais lúcidos e empenhados na defesa da nossa Civilização para fazer frente à hegemonia dessa enten­te. Pretende contribuir para ganhar a guerra das ideias, tornando a vida social em geral, as artes e as letras veículos de educação.

2 — O principal aspecto da crise da Civilização é a desa­gregação da família, evidenciada pelo declínio da nata­lidade, pelo crescente número de divórcios, mães solteiras, crianças e velhos abandonados e, mais subtilmente, pela destruição da ordem e dos laços afectivos mesmo nas famílias que não atingem aquelas evidências. Estes fenóme­nos consti­tuem ameaças à esperança da feli­ci­dade individual mas são igualmente alimentos da indústria do «social» e da burocra­cia estatal, tendo como conse­quência o em­polamento do orçamento dos estados, com o corolário do agravamento dos impostos.

Lusitânia Expresso analisará as forças e os elementos ideológicos que concorrem para a desagregação da família, nomeadamente o feminismo, a destruição da autoridade e a contestação da identidade sexual por minorias activas nos media e nas instituições. Defenderá os valores da família consagrados pela nossa Civilização, que definem o único «tipo» de família propriamente dita, e rejeita toda e qualquer construção ideológica contra natura sobre a matéria.

3 — Outro factor que ameaça a Civiliza­ção é o processo degenerativo em que se encontra a educação. Esta é outra causa directa do alastramento dos grandes flagelos que hoje atingem a juventude: fracasso escolar, cripto-analfabetis­mo, im­pre­paração profissional, ausência de horizontes morais e culturais; banalização do hedonismo e do paganismo, desregra­men­to e promiscuidade sexuais, toxicode­pendência, doenças graves, delinquência e crime.

Lusitânia Expresso analisa os veículos da desqualifi­cação moral e profissional da ju­ventude, nomeadamente as ideologias da entente, a destruição da família e as cíclicas pseudo-reformas do ensino, e rejeita a dita­dura de minorias dissolutas que nos media pretendem impor a «normalização» do anormal e a margi­nalização da normalidade.

4 — A invasão dos media e das artes pela pornografia, a crescente impudicícia na praça pública, a corrupção na política, no desporto e noutras actividades públicas e o au­mento da criminalidade vão de mãos dadas. Estas manifesta­ções inscrevem-se num processo de aniquilamento da ética em todos os campos e de erosão do tecido social, ao mesmo tempo que, pelo mau exemplo, desenvolvem um efeito multiplicador.

Lusitânia Expresso pugnará pela ética na vida pública, nomeadamente nos media, na política, nas artes e no desporto, o que irá influenciar positivamente a vida moral privada e colectiva.

5 — Foi criada pela esquerda uma opinião igualitária anti-elites. Por outro lado, a vida pública das nações, nomea­damen­te a vida política, é dominada por acontecimentos e pro­cessos que a desilustram. Por estas razões, os elementos mais válidos das nações reservam-se de assumir funções públicas. Em consequência do vazio assim cria­do, a vida pública tor­na-se presa fácil para pessoas de valor moral e técnico inferior, mas, em compensação, bastante capazes na manipulação da massa através da demagogia e do popu­lismo.

Lusitânia Expresso defenderá a excelência moral e técnica dos quadros públicos bem como as medidas que concorram para a assunção tranquila de funções públicas por parte das pessoas mais válidas das nações. Defenderá ainda as medidas culturais, educativas, técnicas, económicas e políticas que conduzam ao desenvolvimento de vastas e multifacetadas elites nacionais.

6 — O Estado moderno, olhando longe a partir do passado e do presente e sem contrariar a liberdade de acção individual nem assumir o gigantismo socialista, deve simul­taneamente ser o garante dos valores da Civilização e o instru­mento de prepa­ração do futuro. Deve ser o agente das grandes políticas a longo termo em previsão de si­tua­ções que possam ocorrer em todas as áreas da actividade humana, nomea­da­men­te a moral, a cultura, a ciência, a ecologia, a exploração dos recursos naturais ou a economia. Existe, no en­tanto, uma profunda crise da prospectiva dos estados. São disso reveladores os actos imediatistas ou irreflectidos, de conse­quências previsivelmente graves, cometidos por alguns dos seus agentes, internamente e em organismos internacionais. Por outro lado, outros demons­tram uma grande tolerância — e até aplauso — em relação a actos claramente anticiviliza­cio­nais. Ao longo do tempo, tais actos, irreflectidos ou intencionais, fazem perigar a nossa Civilização.

Lusitânia Expresso propõe-se reflectir sobre a previsão a longo termo de tais situações, procurando assim contribuir para a de­fi­nição de uma prospectiva de Estado que assegure a continuidade da nossa Civilização.

Lusitânia Expresso respeita os princípios deontológicos da imprensa, a ética profis­sional, a boa fé dos leitores e a verdade da informação, e não visa fins comerciais (n.o 4 do art. 3.o da Lei de Imprensa).

Estatuto Editorial

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home