http://img233.imageshack.us/img233/4972/novadireita15tl.jpg

quinta-feira, julho 27, 2006

Manifesto contra o politicamente correto

Nota do autor: Abaixo, manifesto contra o politicamente correto, feito durante o lançamento do livro do embaixador Meira Penna, "Polemos", dia 19/07/2006, em Brasília. Tem como objetivo combater a perseguição movida por um aluno contra o Prof. Paulo Kramer, da Universidade de Brasília, que se julgou ofendido com uma simples palavra proferida em sala de aula.

Você sabia que o "politicamente correto" é uma estratégia criada pela esquerda internacional para fazer com que os próprios cidadãos se policiem uns aos outros, numa espécie de polícia política, enquanto o Estado, tirando proveito político dela, vai nos transformando em criminosos, sujeitos a penas de prisão, pelo simples fato de emitirmos nossa opinião e de dizermos o que sentimos sobre os mais variados assuntos?

Você já parou para pensar que quando o integrante de uma "minoria" é beneficiado por políticas assistencialistas, todos os demais cidadãos que não fazem parte dessa "minoria" são expropriados em seu direito de concorrer livremente com ele?

Você gostaria de perder o sagrado direito à liberdade de expressão, mesmo que a sua expressão possa ser considerada deselegante ou mal educada?

Você acha que cabe à classe política ditar regras de educação para o povo, quando ela própria só dá péssimos exemplos por meio de mentiras, corrupção, apadrinhamentos, assassinatos e cumplicidade com o crime organizado?

Você gosta de ser enganado com estratégias desse tipo, enquanto o Estado vai surrupiando quase metade do seu salário em impostos, sem empregá-los em seus devidos fins, e depois joga a responsabilidade por todas as nossas mazelas na "sociedade", da qual você faz parte, criando-lhe um sentimento de culpa que você não poderia e não deveria carregar?

Se você é uma pessoa que tem família e que foi educado de acordo com os valores tradicionais da civilização ocidental (liberdade e responsabilidade individual, direito de propriedade - seja ela um simples lápis ou uma grande fazenda -, respeito aos mais velhos, à verdadeira autoridade e às leis, além de amor ao próximo e outros tantos valores que por milênios imperaram entre os homens), está na hora de abrir os olhos antes que lhe cassem todos esses valores.

Não permita, jamais, que lhe retirem o direito à liberdade de expressão, um dos fatores mais marcantes da personalidade de cada um de nós.

Não se esqueça de que você tem, sim, todo o direito de dizer as palavras que quiser, de expressar a sua opinião sobre o que bem entender, porque você tem capacidade e discernimento suficientes para saber o que está dizendo.

DIGA NÃO AO "POLITICAMENTE CORRETO". PORQUE CORRETO É VOCÊ SER VOCÊ MESMO, EM SUA INTEIREZA, E NÃO O BONECO QUE O ESTADO QUER QUE VOCÊ SEJA!

DEFENDA O SAGRADO DIREITO À LIBERDADE DE EXPRESSÃO, ANTES QUE VOCÊ SEJA O PRÓXIMO A TER DE CONTRATAR UM ADVOGADO OU A PARAR ATRÁS DAS GRADES!

Félix Maier

Retirado do Mídia Sem Máscara.

Professor da UnB é acusado de racismo por alunos de pós-graduação

Érica Montenegro

Do Correio Braziliense - 12/07/2006

07h36-"Não adianta dar dinheiro para essa crioulada." A frase - pronunciada por Paulo Kramer, 49 anos, professor-adjunto do Instituto de Ciência Política, da Universidade de Brasília (UnB) - levou um grupo de alunos a formalizar queixa contra o professor na reitoria. É a primeira vez que isso ocorre nos 44 anos da UnB. Relatada pelos estudantes em carta entregue ao reitor Timothy Mulholland, e confirmada pelo próprio Kramer, a frase foi dita na manhã de 24 de abril, uma segunda-feira, durante a aula de Teoria Política Moderna (TPM), do programa de pós-graduação em ciência política.

Kramer explicava políticas assistenciais implementadas nos Estados Unidos, na década de 60, para a população negra, quando emitiu a opinião. "Estava dizendo que, antes de se macaquear uma política pública de outro país, é necessário saber quais os efeitos que ela trouxe para os supostamente beneficiados", afirma. "Crioulada" foi o termo mais próximo que o professor diz ter encontrado para traduzir "black under class" - expressão pela qual os negros muito pobres são descritos por parte dos sociólogos nos EUA.

Mas o termo atingiu, em particular, o aluno Gustavo Amora, 24 anos, que tem a pele morena e se reconhece como negro. Gustavo, que foi aluno de Kramer também na graduação, decidiu enviar um e-mail queixando-se ao professor. No texto dizia: "Todos nós conhecemos o seu jeito brincalhão, algo que na maioria das vezes nos diverte dentro de sala. Mas acredito que haja limites para esta interação (.), a linguagem é uma dialética frágil e os dois pólos devem se respeitar para que não se perca esta dinâmica." Kramer desculpou-se amistosamente, e o assunto prometia encerrar-se ali.

Mas, na aula seguinte, o professor fez uma explanação sobre a "onda politicamente correta", que irritou Gustavo e alguns mestrandos da turma. "Ele desrespeitou nossas posições e julgamos por bem levar o caso ao conhecimento da direção do instituto", afirma o estudante Carlos Augusto Machado, 24. Kramer avalia que, em sua condição de professor, chamava a turma à reflexão. "Eu sinceramente tenho medo que essa avaliação sobre o que é preconceito ou o que não é acabe prejudicando a liberdade de expressão, direito individual dos mais importantes", comenta Kramer, que leciona na UnB há 19 anos.

A questão ganhou corpo nos corredores do Instituto de Ciências Política e acirrou o clima entre alunos e professor. Em carta enviada à Comissão de Pós-Graduação no mês passado, sete estudantes dos cerca de 20 que fazem parte da turma de TPM pediram o afastamento de Kramer ou a abertura de uma nova turma.

Tensão

O confronto atingiu o clímax na aula da semana passada: o professor chamou Gustavo Amora de "racista negro" e de "Ku-Klux-Klan negra". Criada em 1865 e até hoje em ação, a Ku-Klux-Klan chegou a queimar negros vivos nos EUA. "O professor estava completamente descontrolado e, como a direção do departamento não havia nos dado respostas satisfatórias, decidimos recorrer à reitoria", completa a também aluna Danusa Marques, 23.

Paulo Kramer não nega a acusação, mas considera que o grupo de alunos havia passado dos limites. "Eles criaram uma espécie de motim, sem sequer ter o respaldo da turma inteira. Então, eu abri a questão para todos", conclui.

Depois de receber os estudantes na última segunda-feira, o reitor Timothy Mulholland encaminhou o caso ao departamento jurídico da UnB, que decidirá como resolver a questão. Se houver um inquérito administrativo e o professor for considerado culpado, pode receber punições que vão da advertência verbal à expulsão do cargo. "É um assunto muito sério, precisa ser avaliado com o máximo de cuidado", resigna-se o reitor. Não há prazo para o departamento jurídico se pronunciar.

2 Comments:

At 8:07 da tarde, Blogger Pedro Ferreira, Visconde de Cunhaú said...

Um texto muito pertinente. Já não há pachorra para essa conversa do "políticamente correcto" impingida pelos sectores de esquerda.

 
At 9:54 da tarde, Blogger Celia said...

Estranho, quantas vezes ouvi, principalmente em sala de aula, professores se dirigirem aos descendentes de italianos em São Paulo de "italianada"....sou de origem italiana por parte de pai e dava de ombros....Minha mãe era gaucha e filha de pai português, nem é preciso dizer sobre as piadas, muitas delas de mau gosto, proferidas tanto com relação a gauchos quanto a portugueses...Já pensaram se eu processasse todos aqueles que ofendem italianos, gauchos e portugueses?
Estou cansada de ver os melindres de certos grupos que tentam tolher nossos pensamentos e nosso senso crítico. Verdadeira ditadura do politicamente correto...que nem sempre é muito correto...

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home